Crítica | 13 Reasons Why? Quanta dor podemos suportar?

13 reasons why - critica -netflix (1)
Compartilhe

Hey Folks!

13 Reasons why? É um drama baseado no livro homônimo de Jay Asher, adaptado pela Netflix, que estreou ontem (31/03) e que em toda minha glória maratonei em uma única sessão os 13 episódios. Costumo dividir séries assim em duas sessões pra absorver melhor, mas confesso que simplesmente não consegui, quando percebi já estava no episódio 11, e convenhamos, não tinha mais como voltar atrás, não é mesmo?

13 Reasons Why? (Th1rtheen R3asons Why ou 13 porquês) conta a história do suicídio de Hannah (Katherine Langford), que em nenhum momento esteve viva durante a série, já pegamos o plot assim, todos os eventos são pós fato. A história é narrada por um amigo/crush (eu realmente usei essa palavra?) de Hannah, Clay Jensen (Dylan Minnette) que misteriosamente recebe uma caixa com fitas K7, onde Hannah conta os 13 porquês de ela ter cometido suicídio. Okay, fácil. Porém não subestime a série, eu mesmo o fiz.

13 reasons why - critica -netflix (2)

Quando ouvi sobre a série pensei que fosse mais um daqueles YA (Young Adults), que lotaram as prateleiras anos atrás falando sobre o mesmo tema com personagens diferentes, talvez seja, não sou adepto desse estilo de literatura, mas existe uma quebra de gênero muito forte na adaptação, não são os problemas de uma faixa etária específica, o escopo é bem maior e acerta em cheio quando aposta na empatia do telespectador. Você facilmente vai se identificar com um ou mais dos personagens e perceber que poderia ter sido você um dos porquês ou a vítima em si.

Temos um cenário totalmente favorável a toda essa atmosfera de hostilidade e busca de autoconhecimento, e talvez seja o ambiente mais hostil que já enfrentamos na vida, a menos que você seja da polícia ou coisa do tipo, definitivamente o Ensino Médio é um período difícil. A série possui uma infinidade de estereótipos, atletas, gays, lésbicas, nerds, pessoas estranhas etc. E atinge em um dos estigmas atuais da sociedade quando ilustra a incapacidade de uma administração escolar de lidar com os problemas gerados pelo bullying no ambiente escolar. Isso porque estamos falando de uma escola modelo norte americana, que tem uma estrutura planejada para isso, com conselheiros, aulas sobre o assunto, imaginem aqui? É de dar medo.

13 Reasons why? É muito bem estruturada e leva você nas águas lentas do rio de emoções pelas quais Hannah passou. Não sou do tipo que me emociono com séries a ponto de chorar, e manos, eu assisti This Is Us, quem viu sabe do que estou falando, mas consigo reconhecer quando o momento foi feito para que os ninjas cortassem cebolas perto dos seus olhos. A série tem muitos momentos assim, assim como, momentos de gargalhadas pra aliviar um pouco a tensão e eu shippei (crush/ship? Oquetaconteceno?) muito o casal, até comemorei e sofri com eles.

13 reasons why - critica -netflix 2 (2)
Ela está tão na sua…

Somando isso ao seu narrador, tipicamente o cara legal da escola que só quer fazer a sua parte e sair o mais rápido possível do Ensino Médio (Me?), que possui ali seus problemas de ansiedade e é um pouco mais sensível a situação do que os demais, que não aceita o fato tão bem como os outros e precisa que as coisas sejam um pouco mais pretas no branco. Toda essa soma de coisas gera um tipo específico de louco, aquele que você gosta porque sabe que ele vai enfrentar as consequências porque é o certo a se fazer, estamos falando de um herói. Quem não gosta deles?

Claro que o ponto alto da série é o tal suicídio, e galera, eu achei extremamente bem feito, pra Trinity (um dos personagens de Dexter) nenhum colocar defeito. No momento senti uma pressão no peito e pensei, meu coração disparou, eu estou ali junto com ela, vou ver ela fazer isso e não posso fazer nada pra mudar, acredite você vai se sentir assim, você também vai amar a Hannah. E, definitivamente,  eu não estava errado. Tenho um aparelho que mede a pressão arterial em casa, fui até o quarto da minha mãe, voltei um pouco a cena pra imergir e BAM, 16×10. Eu estava morfologicamente abalado. Tinha um bom tempo que não me sentia assim vendo uma série.

Não se prendam aos parágrafos anteriores, 13 Reasons Why? Não trata apenas disso, temos um tema muito mais profundo na série, que definitivamente vai dar muito pano pra manga ainda e as feministas vão amar, e não digo isso de uma forma pejorativa, longe de mim. Não posso falar mais aqui porque é spoiler. Mas quem sabe um outro texto se eu conseguir encontrar as palavras certas.

13 Reasons Why? Faz parte de um seleto grupo de conteúdo que efetivamente deveria ir para as salas de aula. Chega de só falar, com um material audiovisual tão potente como esse pode se mostrar o que as pessoas que passam por situações assim sentem, mostrar o quão desagradável é e porque as vezes elas não suportam esse peso, e mais, porquê isso deve ser um problema de todos. A história da Hannah é um alerta, um belíssimo alerta. E não seja leviano ao pensar que a Hannah era a única vulnerável na história, a série vai te mostrar que não e é o que imagino como ganchos para mais temporadas. #gonetflix

Apesar de já ter quase uma década que sai do ensino médio (só escrevendo isso que eu percebi que realmente já faz muito tempo) imagino que as coisas não mudaram muito, mesmo com a força dos movimentos que protegem as minorias e de os temas serem tão recorrentes nas mídias sociais e nos programas de TV, o bullying em todos os seus aspectos ativos e passivos não reconhece a força desse ambiente externo, afinal a escola, os muros da escola são quase como as fronteiras de um estado onde rege a lei do mais forte, baseado na ilusão de controle das autoridades do local e da falsa sensação de segurança. Sim, nunca me senti seguro na escola, apesar de amar aquele lugar.

Faz um bom tempo desde que escrevi aqui pela última vez, não tenho uma razão específica, eu apenas tinha deixado pra lá, apesar de manter o espaço. Aqui é como um porto seguro, pois às vezes tenho a impressão de que 3 ou 4 pessoas de fato leem o que é escrito aqui, mas é onde posso me comunicar com o mundo exterior da melhor forma que consigo, escrevendo. Desculpem-me se não fui totalmente imparcial.

Thank you Folks!