Resenha | Mago Aprendiz, Raymond E. Feist

Compartilhe

Olá paladinos, faz um bom tempo que não realizo nenhum feitiço de resenha por aqui, porém a espera acabou – como se alguém estivesse esperando algo, oi? -, hoje temos a resenha de Mago Aprendiz, o livro do mago, que de mago não tem nada.

Amigos, não levem tão a sério a afirmação acima, adorei o livro. Ele é rico em detalhes, a escrita do tio Raymond é limpa, fluída e leve. Dá pra ler sem perceber – Não eu, que demorei um ano pra começar, tinha TCC, e levei um semestre para terminar -, e se você gosta de uma boa história sobre amizade, com alguns elementos fantásticos e alguns mistérios, esse é o seu livro.

O único problema real que o livro tem, é que a sua divisão não valorizou o seu título, Pug nosso personagem principal, extremamente carismático, de origem humilde, esforçado  e totalmente capaz de cativar os leitores, é um aprendiz de magia que não desenvolveu esse talento (magia) durante o livro, e aí entra um outro porém, no livro os magos são pessoas mais velhas, talvez seja esse o motivo, essa introdução à magia, seja mais longa, e depois, ele cresça naturalmente. O que nos leva a crer que o Pug até os 50 anos ainda pode ser um prodígio na sua área de atuação.

E aqui outro ponto importante, o desenvolvimento não só do Pug, mas do seu melhor amigo, Thomas e do arqui-inimigo Roland, também se dão lentamente, assim como a juventude, eles crescem juntos durante o decorrer do livro, atingindo clímax distintos e sensacionais. Pra mim, isso é um ponto positivo ao quadrado, porque, por exemplo, se fosse um livro para o seu filho, ele poderia crescer com os personagens, essa temporalidade entre os personagens cria um mistério ainda maior, daquele tipo, que faz a gente ler só pra saber o que vai acontecer no futuro dos personagens, se eles vão permanecer amigos ou não etc.

No meio desses dilemas, tem o contra peso da historia, os antagonistas, “alienígenas”, que estão tentando invadir o Reinado de Midkemia, surgem do nada e poucos descobrimos deles. O que desanimou um pouco também, porque em 400 páginas, pouco sabemos dos inimigos. Apenas sabemos que Elfos, Anões e Humanos estão juntos nessa guerra. Dizendo assim, parece que estou falando da sociedade do anel, contra os Orcs, e sim parece mesmo uma releitura de Tolkien. Mas não vou entrar nesses detalhes. Só vamos saber um pouco sobre o povo “alienígena” nos confins do livro.

Mago Aprendiz, apesar da sua temática épica e fantasiosa, não é um livro complexo, como disse, demorei um longo período para ler, porém não tive lapsos da história, o que reforça o argumento dela ser simples e bem elaborada. Feist, abusa da linguagem rápida e bem construída. O que afasta grandes dramas da trama, e grandes momentos de retrospeção dos personagens em monólogos infindáveis , já que não encontrei muitas quotes, ele não tem muitas frases de efeitos, e sim momentos, é um livro feito de ações. O livro funciona como um ensinamento. muitas das ações que acontecem tem algo a ensinar, tem muitas lições sobre a amizade, sobre o primeiro amor, sobre o amadurecimento, esforço e determinação, momentos de tristeza e etc.

O principal motivo, deu ter gostado tanto da história, foi a relação dos personagens, ela é inocente e poderosa, e que em determinado momento do livro começa a transformar-se em outras coisas, perde a inocência e ganha malícia, assim como pode se mostrar sábia ou não, os personagens evoluem ao decorrer da leitura, mostrando-se mais voláteis, o que me deixa ansioso para o que o futuro reserva para nós.

Ficha Técnica 
Título: Mago – Livro Um – Aprendiz
Autor: Raymond E. Feist
Acabamento: Brochura
Gênero: Ficção/Fantasia
Editora: Saída de Emergência
Edição: 1ª
Ano: 2013
I.S.B.N.9788567296005
Nº de Páginas: 432
Leia mais Resenhas