Review | Breaking Bad 5×16 “Felina” Series Finale

Compartilhe


Melhor sair enquanto se está por cima…
Essa é a regra da vida e Vince Gilligan seguiu completamente esse conselho. Em Felina ele consolidou a série, mostrando para as outras emissoras (especialmente as que não conseguiram fazer um bom final) como uma série deve terminar. E vamos começando pelo nome FELINA, nada de elementos químicos ou grandes teorias como vimos no post sobre isso. A única referencia que apareceu foi uma fita K7 do Marty Robbins cair do porta luvas de um carro e a música tocar depois quando o carro é ligado.

Que bom que trouxeram o Skinny Pete e o Badger para fazer uma aparição, porque dos personagens secundários a última vez que ouvimos falar deles foi quando citaram Babylon 5 lá atrás… Walt foi atrás do Elliott e da Gretchen depois de ter visto a entrevista que deram sobre ele. Walter deu uma chance para que eles fizessem as coisas certas dessa vez e abrirem um fundo para o Junior. Afinal, Heisenberg ainda está por aí. Sempre muito mítico. E também, a volta dos parceiros do Pinkman foi o gancho que usaram para que Walt descobrisse que ele ainda estava cozinhando.

Sempre fui muito bom com teorias, criei o post anterior para levantar diversas possibilidades de finais e acertei algumas delas. Mas vamos por partes.

Walt nunca fez o tipo vilão de verdade, a série inteira ele foi um pai de família tentando fazer seu melhor, até ser Heisenberg. Ele foi corrompido pelo poder? Sim, e muito. E pagou por isso. Walter Mudou durante todas as temporadas ficando cada vez mais cruel e cada vez mais próximo do seu alter-ego, Heisenberg. Nos últimos episódios esse alter-ego ressurgiu totalmente e transformou o professor de química em um traficante. E quem teve grande papel nisso foi o próprio promo do último episódio que tem como primeira frase o seguinte “Química é o estudo sobre… Transformação” Walter era nosso elemento instável. No final da série mais uma vez ele mostrou que a inteligência pode ser superior a força ou a quantidade de inimigos que você tem.

Primeiro com Lydia, vencida pelo seu pragmatismo. Todas as vezes que a vimos na cafeteria ela pedia seu chá de camomila e adoçava com um sachê branco. Na hora que ela vai adoçar seu chá com o único sachê branco entre diversos marrons já se percebe pra quê que Walt queria a Ricina. E BANG Lydia morta (não morta, mas com o caixão aberto).

Óbvio que nada aconteceria com Skyler, Junior e Holly. Por que fariam algo contra eles? Marie só aparece em uma ligação, Huell está esperando até hoje, não disseram nada do Brock e como já tinha previsto a cena do Saul em “Granite State” dizendo “It’s Over” para um Walter White frágil e vítima do seu câncer foi a sua deixa de saída da série. E mais acertos com o local do corpo de Hank sendo revelado, mítico seria se o bilhete da loteria fosse premiado. Ele dizer para Skyler que “foi por ele, que ele se sentia bem e vivo” foi a frase usada para desmistificar o bem do mal.

Jack, esse tinha que morrer… E morreu, mais um acerto, a arma era para eles, como foi usada é que não acertei, e não lembro como ela foi adquirida, mas deixa pra lá. A redenção do nosso personagem favorito acontece nessa cena. Ela vai até o Jack com o intuído de mostrar uma nova forma de cozinhar, mas não é isso, é nítido que ele está lá para salvar Jesse. Todd sobreviver é o que todos os fãs esperavam. Afinal, ele tinha que morrer pelas mãos do Pinkman, depois do que aconteceu com Andrea. O perdão de Walt vem com o Pinkman não o matando, mas todas as coisas más têm que ter um fim. Assim vemos que Walter foi atingido por um tiro de sua própria metralhadora. E aqui BANG na morte de Jack por White, BANG na morte de Todd pelo Pinkman e BANG em Pinkman não conseguir matar o White.

De uma forma ou de outra, Walt já estava morto. O Câncer ia matá-lo e nada melhor do que dar uma morte digna ao Heisenberg de Albuquerque levando-o até uma viagem nostálgica em seu modelo de laboratório de Metanfetamina e em mais um dos nossos famosos reflexos o vemos cair e depois, em sua cena final, ele estendido no chão, ao lado da sua criação, antes da polícia chegar para prendê-lo. Ele não tinha chances… E a placa do carro de New Hampshire dizia uma coisa muito importante sobre Walter White: Live Free or Die.

It’s time to say goodbye.

Peraí… Peraí… Acabou ainda não… Vocês acham que foi coincidência a última cena do Pinkman acabar com ele no carro? É olha só ele em Need for Speed. E Speed é também um dos nomes de Metanfetamina lá fora. 

Como estou me sentindo com o final de Breaking Bad?

E com pesar não posso dizer que vejo vocês no próximo episódio.
Leia mais sobre BREAKING BAD, BITCH!